Pousio

Não confio em nenhum destes.
Porque havia um sentimento de se prolongar?
Como confiar? Como saber exactamente
se apenas me responde o vento?

Se não tivesse isso sequer
não teria nada
e o meu nada seria mais desamparado
como uma tumba devassada
e castigada pela chuva que tomba
e assobia.
Oh, desatino disto tudo!
O meu eu foi já
e eu isto, aqui, nada.
Quem te quisesse
no meio deste enxuto desperdício,
quem te quisesse no vazio
desta imensamente longa estrada!

Todas as coisas e eu arrepio.
Todas as coisas e eu nada.
E eu que as acarinho e ao que não há
sou suspeito de as amar,
de haverem sido e desertado,
ruído e naufragado
como um desertor à noite pelos cerros.

As minhas madrugadas mentoladas
de inscrições em bancos de jardim
como se a luz vicária
viesse descerrar o véu nocturno
que vela a placa marmórea e inaugural
do edifício do que se fez
e se acabando desfez
e como no cabeço da cruz
sumariasse de súbito o crime
sob a carga espessa da noite:
voluptuoso pensou.

Oh, o derrame de antes!,
tudo o que não sabíamos se era
tendo sido,
incertos do que éramos ou fazíamos,
confundidos pelo alcatrão
que nos constrangia as penas de alcatrazes
pelas vastas dimensões dos grandes pélagos,

aves em prono curso,
em cunha alimentadas
pelo céu azul
como um feto nos desperdícios amnióticos
da via láctea penumbrosa
ignorando o seu tudo
sendo nada,

um floco gravitando
na atmosfera
caindo
acaso
no espanto fólico
e na noite imensa
do universo
antípoda.

 

Arroteamento

Vós, terras, sois perjuras, sois a morte.
Avaras, esbanjais o nosso lote.
Não sois vós já telúricas, mas dote
De um rei de fraca gente e pouca sorte.
Oh, céus, que faço eu aqui, que esbanjo
Com todo o romantismo do meu zelo
A chuva ardorosa neste gelo
E em magro solo encolho e me confranjo?
Ó pátria, és daninha, minha filha.
Se mesmo te enganar coa minha glória
E letras garrafais puser no vidro
Que me levar por escrito desta ilha
Apagarás o mérito da história
Nas mãos do bom selvagem rude e anidro.

 

Baldio

Caiu uma estrela
E eu, grave e precavido,
Passando de umbrela.

Partilhe:
Facebook, Twitter, Google+.
Leia depois:
Kindle