Lobo FDV 7.png
Lobo FDV 2.png
Lobo FDV5.png
Lobo FDV 12.png
Lobo FDV 3.png
Lobo FDV 15.png
Lobo FDV 18.png
Lobo FDV 7.png

Nº9


Janeiro 2017

SCROLL DOWN

Nº9


Janeiro 2017

Actions in Art

Brett Bourbon

A few years ago, a group of five intrepid professors began to plan and design not just a new Encyclopedia of Art, but a new kind of Encyclopedia of Art. We had all spent years studying and writing about the philosophy of art, albeit in different ways and from different premises.

Ler

Quando a Neve É Geral

Teresa Bartolomei

Acho improvável que haja muitos leitores dispostos a contestar a opinião corrente do público e dos críticos que elevaram este célebre trecho final do conto «The Dead», de James Joyce, ao estatuto de clássico, concordando que não se trata apenas de uma grande página de literatura, mas de um grande ensaio de escrita lírica. 

Ler
Lobo FDV 2.png

Simpósio


O Nobel 2017

Simpósio


O Nobel 2017


A morte de pessoas famosas, desastres naturais, os resultados e as sondagens de eleições políticas, previsões económicas semanais ou o prémio Nobel da Literatura de 2016 estão entre o conjunto de acontecimentos que tiveram lugar nos doze meses que compuseram, tecnicamente, o ano de 2016 e que contribuíram para um sentimento generalizado de tristeza quanto ao futuro da humanidade. Por muito interessantes e profícuas que tenham sido as discussões originadas por cada um desses acontecimentos, interessa à Forma de Vida a discussão sobre o Nobel da Literatura de 2016, Bob Dylan. As reacções variaram entre notícias apocalípticas sobre o fim da literatura e de tudo o que ela representa, e o assentimento fervoroso de que a Academia tinha, finalmente, acertado na sua escolha; pelo meio, além de quem ficou indiferente, muitas pessoas acharam que a escolha abria os limites da literatura a um conjunto de práticas contemporâneas próximas da literatura, como a banda-desenhada ou os guiões de cinema. Pedimos por isso a um conjunto de pessoas ligadas às letras e à música que dessem a sua opinião breve sobre quem poderia ser o próximo prémio Nobel da Literatura, para saber se há ou não consequências sobre tão ousada decisão da Academia Sueca.
Lobo FDV5.png

Testemunhos


Testemunhos


 
Será o desaparecimento da película o fim do cinema? Vale a pena preservar o analógico para além do valor nostálgico? Na secção Testemunhos, partindo de uma entrevista conduzida por Helena Carneiro e Maria de Almeida Alves a Maximino Fernandes, o projeccionista-chefe da Cinemateca, convidámos três pessoas ligadas de maneiras diferentes ao cinema para dar o seu testemunho sobre o fim da película e a implementação do digital.
 

ENTREVISTA A MAXIMINO FERNANDES

HELENA CARNEIRO E MARIA DE ALMEIDA ALVES

A Forma de Vida entrevistou Maximino Fernandes, o projeccionista-chefe da Cinemateca Portuguesa — Museu do Cinema, a propósito da profissão que exerce há cerca de cinquenta anos.

O Cinema na era digital

Tiago Antunes

Há um certo mal-estar entre cinéfilos quando se fala de «cinema digital», como se estas duas palavras fossem antagónicas. Não digo que não o sejam, mas nos dias de hoje o conceito de cinema analógico é já uma memória.


Liberty Bells

Raquel Morais

Em Janeiro de 2012, a icónica Kodak, gigante da produção de consumíveis fotográficos, anunciou a abertura de um processo de falência, depois de alguns anos a confrontar-se com as alterações do mercado provocadas pelo aparecimento do digital. 

Ler

Cinema É Digital é cinema

Marta Pinho Alves

Na década de 1980, o cinema iniciou um percurso gradual de digitalização. Hoje, quase quatro décadas volvidas, os resultados deste trajeto expressam-se na transformação ou supressão de grande parte dos elementos e práticas que lhe estiveram associados desde a génese.

Ler
Lobo FDV 12.png

Crónicas


Crónicas


Faca de Papel

Da vida fora dos bosques

Alda Rodrigues 

Interessa-me a leitura não recomendada. Os livros com que nos tenhamos cruzado por acaso, várias vezes até, antes de imaginarmos que poderiam desempenhar um papel na nossa vida: algumas horas de leitura, interrupções e regressos, releituras, pensamentos vagos, ideias novas, citações bem ou mal recordadas.

Ler

O Olho Prevenido

The Fairy Feller's Master-Stroke  

Bruno Dias Vieira

O olhar não cessa de se distrair, de se mover, preso na teia de motivos e de afectos que governam o escrutínio e selecção. Uma imensa opulência toma conta desta pintura de formato reduzido, concentrado, onde, por entre a folhagem, pequenas figuras, aparentemente humanas, são anunciadas em lugares inesperados. 

Ler

A Arte Alegre

On Style in Beethoven's Missa Solemnis

Sara Eckerson

In E.T.A. Hoffmann’s novel Katers Murr [The Life and Opinions of the Tomcat Murr] (1820-1822), there is a painting that operates in the narrative as a play within a play. We encounter the painting when Hoffmann describes an episode in the story of the composer, Johannes Kreisler, who is taking refuge in an abbey. 

Ler

Seis mais uma

In the Land of Ice and Snow, don't call me eskimo

Raquel Morais

Há um par de meses, em Novembro de 2016, um festival canadiano de documentário pediu publicamente desculpas por ter programado e exibido «a film (…) that perpetuates racist stereotypes». of the North, de Dominic Gagnon, eclipsou-se assim do website do festival. 

Ler

 

tv em série

Sobre Westworld e a lição de Abernathy a Dolores: «These violent delights have violent ends.»

Maria Sequeira Mendes

Tempos houve em que ponderava com frequência se quando relia um livro obrigava as personagens a repetir as suas desventuras. Na altura, questionava-me sobre o destino circular que impunha a Petzi ou a Os Cinco na Ilha do Farol (algo de que só me viria a lembrar muito mais tarde, quando li o Epílogo de Próspero em A Tempestade).

Ler
 
Lobo FDV 3.png

Tradução


Tradução


Joseph Conrad, Uma Recordação Íntima

Ford Madox Ford

Retomamos a publicação do folhetim Joseph ConradUma Recordação Íntima, de Ford Madox Ford, com a sexta secção da Primeira Parte. Uma escolha de Luísa Costa Gomes com tradução e notas de Telmo Rodrigues.

O Indiferente

Marcel Proust

«L'Indifférent», de Marcel Proust, escrito em 1893, mas apenas publicado em 1896, na revista La Vie Contemporaine; esteve perdido até 1978, quando foi descoberto e publicado por Philip Kolb. A Forma de Vida publica aqui a tradução de Inês Morais. 

Ler
Lobo FDV 15.png

Workshop de Filosofia e Literatura


Workshop de Filosofia e Literatura


 
Em articulação com o Workshop de Filosofia e Literatura, organizado pela Rede de Filosofia e Literatura, a Forma de Vida passa a manter registo das sessões de cada semestre. Publicamos textos, em formatos menos canónicos, submetidos pelos participantes, nos quais os tópicos apresentados publicamente são reavaliados na sequência da discussão que se seguiu à sua apresentação.
 

Pedro Nascimento sobre dinheiro

É certamente mais comum e interessante fantasiar com a abundância de dinheiro do que com a falta dele. Talvez assim se expliquem duas coisas: a falta de importância oferecida ao tema do dinheiro para Bernardo Soares e a existência dele, não necessariamente nesta ordem.

Ler

João Pedro Vala sobre One More Time With Feeling

No passado dia 8 de Setembro, Nick Cave decidiu fazer acompanhar o lançamento do seu mais recente álbum (Skeleton Tree) por um filme (One More Time With Feeling) onde se documenta o processo de gravação deste mesmo álbum, tendo ambos sido aclamados unanimemente pela crítica.

Ler

Ana Ferraria sobre tácticas de ciclismo

O desporto pode ser uma arte. Mesmo os que não concordam comigo terão de admitir que pode ser, no mínimo, um entretenimento contra as preocupações da vida e, por isso mesmo, uma outra preocupação dela.

Ler
Lobo FDV 18.png

Fotografia


Carlos Lobo, The Dew of Little Things

Fotografia


Carlos Lobo, The Dew of Little Things

 

A capa do nº9 da Forma de Vida é ilustrada com imagens do livro mais recente de Carlos Lobo, The Dew of Little Things (Éditions Loco, 2016), uma deambulação pela paisagem urbana entre Beirute e Tripoli.