26.jpg
21.jpg
37.jpg
10.jpg
26.jpg

Nº 4


Maio de 2014

SCROLL DOWN

Nº 4


Maio de 2014

Fogo posto

Miguel Tamen

Entre o número vasto de coisas que se escreveram sobre Fernando Pessoa não existe que eu saiba nenhuma acerca da relação entre Pessoa e certas intuições muito básicas sobre literatura. Por ‘intuições muito básicas’ não entendo nenhuma teoria da literatura consensual. Tal teoria não existe nem provavelmente faz falta. 

Continue a ler

Da criação e das palavras dos homens

David Antunes

Uma dificuldade do narrador do Génesis é a situação de, inevitavelmente, ter de se servir de uma matriz antropomórfica, para descrever Deus, simulando e pretendendo, ao mesmo tempo, cumprir os desígnios de uma narrativa sobre a criação e da criação.

Continue a ler

 

O contemporâneo é contemporâneo?

Francisco Bosco

A hipótese central que avançarei neste texto é a de que a palavra contemporâneo teria sofrido uma leve porém decisiva inflexão em seu sentido, numa mudança recente no interior da nossa época moderna.

Continue a ler

21.jpg

Para que servem as fundações?


Simpósio

SCROLL DOWN

Para que servem as fundações?


Simpósio

Para que servem as fundações?

Rob Reich

O juiz Richard Posner, um dos principais juristas americanos fora do Supremo Tribunal, observou certa vez que «Uma fundação de direito privado perpétua … é uma instituição completamente irresponsável, que não responde perante ninguém. Não compete nos mercados financeiros, nem nos mercados de produtos … e, ao contrário de um monarca hereditário, ao qual de resto se assemelha, também não se subordina a quaisquer modos de controlo político.» Porque razão, interroga-se Posner, não consideramos estas fundações como «absolutos escândalos»?

Continue a ler

 

Simpósio

Em Março de 2013, foi publicado na Boston Review um simpósio em torno do ensaio de Rob Reich, «Para que servem as fundações?». No presente número, procuramos trazer essa discussão ao contexto português.

Curadora do Simpósio:

Carla Quevedo

 

Carlos Monjardino

Fundação Oriente

Em primeiro lugar, não posso, desde logo, deixar de discordar com Rob Reich quando põe em causa a existência ou mesmo a utilidade das fundações. 

Continue a ler

Artur Santos Silva e Rui Hermenegildo Gonçalves 

Fundação Calouste Gulbenkian

Apesar de Rob Reich partir de uma realidade social e de um conjunto de pressupostos de difícil transposição para Portugal, o seu artigo coloca questões pertinentes (e polémicas) a que todas as fundações podem e devem ser capazes de responder 

Continue a ler

Michael Baum

Fundação Luso-Americana

O ensaio escrito pelo Professor Rob Reich faz uma pergunta importante e de longo alcance sobre as fundações em qualquer sociedade democrática, não apenas as norte-americanas.  

Continue a ler

37.jpg

Desperdício


SCROLL DOWN

Desperdício


William Empson afirmou que «apenas em grau podem quaisquer progressos da sociedade impedir o desperdício de capacidades humanas; o desperdício ainda que numa vida afortunada, o isolamento ainda que numa vida rica em intimidade, não pode senão ser sentido de maneira profunda, e é o sentimento central de tragédia. E tudo o que seja de valor precisa de aceitá-lo porque não se pode prostituir; a sua força é estar preparado para o desperdício se não aparecer a sua oportunidade.»  No quarto número da Forma de Vida, convidámos três poetas a escrever sobre desperdício.

Alice Sant'Anna

conversamos longamente sobre o calor — leia

Daniel Jonas

Pousio, Arroteamento, Baldio — leia

Sebastião Belfort Cerqueira

Desperdício 1, 3, 4 — leia

 

 
10.jpg

Entrevista com Quentin Skinner


SCROLL DOWN

Entrevista com Quentin Skinner


Primeira parte

Significado e método 

Sou criticado muitas vezes  por ter mudado de ideias mas esse é um tipo de crítica muito estranho para fazer a alguém que é um pensador profissional. Quero dizer, suponha que as evidências são de tal ordem que sentia que tinha de mudar de ideias; seria irracional não o fazer, não era?  

Continue a ler

Segunda parte

O contexto de Quentin Skinner

Estou constantemente a ser surpreendido pela forma como a história da educação é posta de parte na história da Filosofia. Se há uma coisa que sabemos por experiência própria é que aquilo que nos foi dado a ler e a aprender nos nossos anos de formação inicial é importante para nós de várias formas. 

Continue a ler

Entrevista conduzida
por Teresa Berjan para
The Art of Theory.

Tradução de
Telmo Rodrigues

 

Costa


José Pedro Cortes

SCROLL DOWN

Costa


José Pedro Cortes

A capa do quarto número da Forma de Vida reproduz detalhes de fotografias de Costa (2013), o mais recente livro de José Pedro Cortes, finalista do BES Photo 2014. Veja uma selecção de Costa aqui.