6.jpg
01.jpg
03.jpg
00.jpg
02.jpg
05.jpg
04.jpg
07.jpg
03.jpg
6.jpg

Nº 14 (Desporto)


Editor Convidado: Nuno Amado

SCROLL DOWN

Nº 14 (Desporto)


Editor Convidado: Nuno Amado

 
É possível que a prática desportiva nunca tenha sido tão generalizada e diversa como hoje em dia. Nas sociedades ocidentais, e pelo menos nas grandes metrópoles, o desporto já não é uma coisa apenas de desportistas profissionais, e mesmo aqueles com menos disponibilidade para o lazer arranjam espaço nas suas agendas para fazer desporto. Ao mesmo tempo, nunca houve tantos desportos à disposição de quem pretende praticá-los como há agora. Além de a prática desportiva se ter generalizado e diversificado, é igualmente possível que nunca se tenha consumido tanto desporto como se consome actualmente. As transmissões televisivas são cada vez mais sofisticadas, e os grandes eventos desportivos cada vez mais acontecimentos à escala mundial. Ainda que o consumo de futebol, sobretudo no contexto europeu, supere largamente tudo o resto, é inequívoco que muitos outros desportos têm um prestígio e um alcance nunca antes visto. Haverá com certeza razões sociológicas profundas para que o desporto seja hoje mais importante do que alguma vez foi (o ambiente de paz que em geral se vive no mundo ocidental, o avanço civilizacional e tecnológico das últimas décadas, a globalização, etc.). Sejam quais forem, a importância do desporto nas sociedades modernas é inegável. Este número da Forma de Vida, especialmente dedicado ao desporto, procura dar expressão a essa importância.

Nuno Amado

 

Aversão ao Desporto

Joana Meirim

Ler

Prazer Desportivo

Telmo Rodrigues

Ler
01.jpg

O Corpo


O Corpo


 
A relevância do corpo na prática desportiva é, evidentemente, crucial. Reunimos nesta secção quatro textos que exploram de maneiras diferentes a relação do corpo com a mente, por um lado, mas também as expectativas que temos sobre como nos devemos comportar para mantermos o nosso corpo saudável em relação a normas sociais voláteis. Sobre a primeira problemática escrevem Gonçalo Santos e João N. S. Almeida, sobre a segunda, Ana Cláudia Santos e Marta Cordeiro.
 

Acerca do Problema Corpo-Mente

Gonçalo Santos

Ler

Punir o Corpo

Marta Cordeiro

Ler

Carta do Ginásio

Ana Cláudia Santos

Ler

The Body as Being

João N. S. Almeida

Ler
03.jpg

Clubismo


Clubismo


 
Pedimos a alguns adeptos de futebol que tentassem responder à pergunta: «Porque é que sou deste clube?» Marcello Sacco escreve sobre como foi crescer como adepto da Juventus; Miguel Tamen celebra poder finalmente usar o plural de Belenenses com propriedade; José Reis descreve como foi assistir à ascensão do Porto ao topo do futebol nacional e internacional; Pedro Santo explica qual é a relação entre ser do Sporting e ser quem é.
 

Da Juventus à Maturidade

Marcello Sacco

O Belenenses

Miguel Tamen


Tripeiro eu Sou: Anatomia de um Andrade

José Reis

1984

Pedro Santo

00.jpg

Desportos


Desportos


 
A hegemonia do futebol no contexto europeu deixa normalmente pouco espaço a outras modalidades. Tentámos inverter a situação convidando algumas pessoas a escrever sobre outros deportos, seja como praticantes, seja como adeptos. Jorge Almeida escreve sobre running, Ana Ferraria sobre escalada e João Esteves da Silva sobre snooker. Pedro Franco traduziu do alemão dois textos de Hans Ulrich Gumbrecht sobre as potencialidades estéticas do futebol americano.
 

Forrest Gump e os Motivos que levam as Pessoas a Correr

Jorge Almeida

 
 

Futebol Americano como Fórmula de um Pathos

Hans Ulrich Gumbrecht

 
 

Count Down para o Super Bowl

Hans Ulrich Gumbrecht

 
 

Escalada, Desporto e Modos de Vida

Ana Ferraria

 
 

Five Snookered Remarks

João Esteves da Silva

 
 
02.jpg

Histórias


Histórias


 
Para a secção de histórias, convidámos alguns amigos para escrever sobre episódios ou personagens marcantes na história do desporto. João Pedro Vala escreve sobre o herói improvável, Eddie the Eagle, enquanto Carla Quevedo aborda a história sobre a heroína menosprezada, Tonya Harding. Ricardo Namora revive a «tragédia de Sarriá» e Elisabete M. de Sousa escreve sobre as consequências de acções heróicas tomadas nos Jogos Olímpicos de 1968.
 

Senna5.jpg

Ayrton Senna, o Primeiro Ídolo

Nuno Amado

Ler
Eddie the Eagle.jpg

Eddie the Eagle

João Pedro Vala 

Ler

tonya-harding-ap-02-jpo-180108_11x15_992-1.jpg

Grandes Feitos, Grandes Males

Carla Quevedo

Ler
mexico 1986.jpg

1968: O MÉXICO DE CASLAVSKA E DE SMITH E CARLOS 

Elisabete M. de Sousa

Ler

4Sarria.jpg

O Patinho Feio

Ricardo Namora

Ler
05.jpg

Entrevista


Entrevista


 
Na secção de Entrevista, Nuno Amado reuniu as opiniões de seis pessoas ligadas à área da formação num texto sobre as formas de potenciar e explorar o talento desportivo no futebol. João Amado, Blessing Lumueno, Cláudio Botelho, José Boto, Mauro Mouralinho e Tiago Teixeira partilham as suas experiências e ideias sobre o que é formar futebolistas em Portugal e explicam as razões que os levam a duvidar de muitos lugares-comuns sobre o desporto no qual trabalham.
 

Ler
04.jpg

Tradução


Tradução


 
Na secção de Tradução, juntamos a poesia e a ficção. Na poesia, José Pedro Moreira traduz Píndaro e Andrea Ragusa traduz Fernando Acitelli. Na ficção, Helena Carneiro traduz dois contos de Ralph Henry Barbour, ambos retirados da colectânea The New Boy at Hilltop and Other Stories (1910).

 

Nemeia 8

Píndaro
(trad. José Pedro Moreira)

Ler

A solidão do Extremo-Direito

Fernando Acitelli
(trad. Andrea Ragusa)

Ler

O Triunfo do «Caracóis»

Ralph Henry Barbour
(trad. Helena Carneiro)

Ler

Patsy

Ralph Henry Barbour
(trad. Helena Carneiro)

Ler
07.jpg

Crónicas


Crónicas


Faca de Papel

Notas do Fundo do Rio

Alda Rodrigues

Ler

A Arte Alegre

ON BUXTEHUDE'S TOCCATA IN F MAJOR, BUXWV 156

Sara Eckerson

Ler

A Tábua, o Gesto

«Uma Outra cor»

Constança Carvalho Homem

Ler

O Olho Prevenido

Cidade Porosa

Bruno Dias Vieira

Ler

Seis Mais Uma

Estereoscopia

Raquel Morais

Ler
03.jpg

Galeria


Galeria


 
SCRIPTEASE EDITIONS: TURNING LANGUAGE INTO OBJECTS

O projecto Scriptease Editions adoptou as palavras de Antonin Artaud: «Jamais réel et toujours vrai», violando deliberadamente a razão, os comportamentos lógicos e as narrativas coerentes, utilizando justaposições bizarras, non-sequiturs, irracionalidades, absurdos e non-sense.


 
 
Forma de Vida 6.jpg