137. E a Minha Festa de Homenagem? Ensaios para Alexandre O’Neill. 2018. Org. Joana Meirim. Lisboa: Tinta-da-China.

137. E a Minha Festa de Homenagem? Ensaios para Alexandre O’Neill. 2018. Org. Joana Meirim. Lisboa: Tinta-da-China.

Helena Carneiro

Este é um livro de ensaios no verdadeiro sentido do termo, com direito a notas de rodapé e citações devidamente referenciadas na bibliografia que acompanha a maior parte dos textos. É um livro académico, escrito por académicos. Além disso, resulta de uma actividade estritamente académica: a realização de conferências sobre um dado tema ou autor, neste caso um colóquio comemorativo dos trinta anos da morte de Alexandre O’Neill.

136. Gauguin L'alchimiste. 11 de Outubro de 2017 – 22 de Janeiro de 2018. Grand Palais, Paris. Exposição.

136. Gauguin L'alchimiste. 11 de Outubro de 2017 – 22 de Janeiro de 2018. Grand Palais, Paris. Exposição.

Marana Borges

Mulheres de pele morena à beira do mar. Algumas vezes sentadas, outras vezes em pares, compondo um plano de formas sinuosas e cores quentes. São tais imagens que nos vêm à tona ao falar de Paul Gauguin (1848-1903). O vocabulário para descrever o artista francês em geral acantona-se em poucas palavras: trópicos; Tahiti; exotismo. Posicionar-se contra esse reducionismo é o ponto forte de Gauguin, L'Alchimiste, exposição no Grand Palais que reúne duzentas e trinta obras, com empréstimos especiais do National Galery of Art (Chicago), do museu D'Orsay (Paris) e do Pushkin State Museum of Fine Arts (Moscou).

135. Mary Chase and Henry Koster. 1950. Harvey. EUA. 104 min.

135. Mary Chase and Henry Koster. 1950. Harvey. EUA. 104 min.

João N.S. Almeida

A comedy rooted in Irish folclore, Harvey is based on a play by the same name written by the relatively unknown playwright Mary Chase in 1944, in the midst of World War II. This somewhat provides the setting for her writing, although the plot does not directly reference the war. It portrays a middle-aged bachelor who is having what appears to be an hallucination about a giant rabbit named Harvey, who is accompanying him everywhere and is his close friend. The creature never makes a direct appearance, and is invisible to both the characters and the viewers. Although Harvey troubles his close relatives, it is far from being troubling for him, as it induces an opiate-like state where feelings of kindness and warmheartedness are nurtured. This premise could place the movie in the terrain of the farcical that can be found in some screwball or fantasy comedies of early Hollywood cinema. But there is something in the quasi-oneiric ambiguity of the plot that turns this apparently light-hearted comedy into a perhaps unintentional commentary on metafiction, with multiple layers, which I intend to analyze in this review. This is more evident in the movie, where James Stewart’s usual warm-hearted movie persona is used with effectiveness, than in the play, where the comedic elements are more recursive.

134. Simon Critchley. 2017. What We Think About When We Think About Football. London: Profile Books.

134. Simon Critchley. 2017. What We Think About When We Think About Football. London: Profile Books.

Telmo Rodrigues

In a book about playwriting (The Three Uses of the Knife), David Mamet suggests one goes to a football match in the hope of watching a perfect drama, where the team we support suffers a series of incidents before arriving at a final victory. Maybe the suggestion derives from American football (or American sports in general), which has a relatively shorter season than European football, normally stretching out for at least three quarters of the year; for one of the obvious objections to Mamet’s claim about what we desire when going to a football match would be to ask: how much suffering can I handle? Can I deal with such an emotional drama every week? Mamet believes the relationship spectators keep with a sporting event is similar to the one they keep with an entertainment show, which explains many strange things happening in sports these days. But most fans’ relationship with football, no matter if the European or American kind, is not of that type, and very rarely one goes to a match expecting anything other than our team’s victory — an outcome which might give us pleasure even when one has to endure through horrible playing.

133.  Damon Lindelof e Tom Perrotta. 2014-2017. The Leftovers. EUA: White Rabbit Productions.

133. Damon Lindelof e Tom Perrotta. 2014-2017. The Leftovers. EUA: White Rabbit Productions.

Tiago Clariano

The Leftovers é o título de uma série televisiva adaptada do romance homónimo de Tom Perrotta, e é uma mais-valia contar com o contributo do autor para a sua adaptação ao ecrã televisivo, em conjunto com Damon Lindelof, que se tornou popular através da produção da série Lost (2004-2010). A pedra de toque do enredo é o desaparecimento súbito de 2% da população da Terra, o que inicialmente deixa os restantes habitantes num estado horrorizado e a lidar com o mistério desse mesmo acontecimento. A expressão titular The Leftovers é utilizada quotidianamente para designar o que sobra das nossas refeições, os restos; não obstante e para o caso, uma melhor e menos literal tradução seria «os restantes», visto que a série retrata a vida dos que não desapareceram.

132. Daniil Trifonov. 2017. Chopin Evocations. Berlim: Deutsche Grammophon. 2 CD. 140 min.

132. Daniil Trifonov. 2017. Chopin Evocations. Berlim: Deutsche Grammophon. 2 CD. 140 min.

João Esteves da Silva & Tomás N. Castro

Daniil Trifonov é o pianista que importa ouvir hoje. Aos 26 anos, o músico de origem russa é inquestionavelmente o nome da nova geração pianística que mais tem surpreendido audiências e persuadido jurados de concursos. Sobre ele, Martha Argerich — uma das maiores pianistas vivas — disse nunca ter ouvido nada assim, e também a crítica não tem sido parca em elogios. Depois de ter estudado em Moscovo com Tatiana Zelikman, muda-se para os Estados Unidos da América, onde ainda vive, e tem estudado com Sergei Babayan em Cleveland. Em 2010, numa edição notável da Competição Internacional de Piano Chopin em Varsóvia, desperta as atenções ao obter o terceiro prémio e o galardão de melhor performance de mazurcas. No ano seguinte, ganha num curto espaço de tempo os primeiros prémios nas competições internacionais Arthur Rubinstein (Tel Aviv) e Tchaikovsky (Moscovo), assim como uma série de outras distinções associadas a estes concursos. Além dos estudos formais de piano, desde cedo revela um interesse particular pela composição, cujos frutos começam já a manifestar-se: prova disso é a Rachmaniana, uma peça para piano solo cujo nome descortina a sua evidente inspiração, e o seu próprio concerto para piano e orquestra, que tem sido apresentado em numerosas ocasiões.

 

131. MÓNICA CALLE. 2017. ENSAIO PARA UMA CARTOGRAFIA. LISBON & SINTRA FILM FESTIVAL. 60 MIN.

131. MÓNICA CALLE. 2017. ENSAIO PARA UMA CARTOGRAFIA. LISBON & SINTRA FILM FESTIVAL. 60 MIN.

Sofia A. Carvalho

Inquietante e desarmante. Pode ser esta uma primeira tentativa para captar a atmosfera de Ensaio para uma cartografia, de Mónica Calle, espectáculo de abertura do Lisbon & Sintra Film Festival’17 no Centro Cultural Olga Cadaval, uma produção da Casa Conveniente e Zona Não Vigiada, e co-produção do Teatro Nacional D. Maria II. Tendo sido ideado em 2013, aquando do encontro de Mónica Calle com a bailarina e coreógrafa Luna Andermatt, este projecto foi levado a cena em diferentes regiões de Portugal, conhecendo uma versão actualizada, estreada no Teatro Nacional D. Maria II, no primeiro trimestre de 2017.

130. DINIS MACHADO. 1989. REDUTO QUASE FINAL. LISBOA: BERTRAND EDITORA.

130. DINIS MACHADO. 1989. REDUTO QUASE FINAL. LISBOA: BERTRAND EDITORA.

Miguel Zenha

Os cerca de doze textos deste livro de Dinis Machado formam um objecto heterodoxo e dinâmico. Relevam, por exemplo, a importância que A Queda, de Albert Camus, continua a ter para si, em «As quedas», passando também pelo tipo de diálogo frenético que remete para o universo protagonizado pelo «rapaz» de O que diz Molero, em «Os rapazes dos livros, das fitas e da bola». Na badana da edição original — a última reedição, pela Quetzal Editores, é de 2009 e inclui Discurso de Alfredo Marceneiro a Gabriel García Márquez — estão algumas coordenadas de leitura que o próprio Dinis Machado propõe e que convocam as ideias de «aparelhagem de ensaio literário», de «acção cronológica desencaixada» e acima de tudo «subentendida», a par da «diferença de velocidades: a visão, o tratamento, o tempo e o espaço que lhe correspondem» e nos quais se interligam aqueles «filtros de memória, laços, às vezes fios»; isso em contacto privilegiado com uma «área autobiográfica, esclarecida em funções narrativas que parecem afastar-se, mas que dela revelam». Livro cuja originalidade reclama novas leituras, dentre o seu conjunto destacarei os textos que me parecem mostrar com maior visibilidade o «fundo-forma», ou fio de horizonte, nele contido e que passa, como veremos, por uma aproximação singular ao mundo nas suas mais variadas manifestações.

129. JUDITH BUTLER. 2017. PROBLEMAS DE GÉNERO. LISBOA: ORFEU NEGRO.

129. JUDITH BUTLER. 2017. PROBLEMAS DE GÉNERO. LISBOA: ORFEU NEGRO.

Joana Graça

Existem livros que merecem ser traduzidos e lidos, por mais tempo que passe. Felizmente, Gender Trouble, de Judith Butler, é exemplo vivo disso mesmo. Não só pela extrema contemporaneidade do tema que desenvolve, mas pela seriedade e rigor que este ensaio revela. Assim, passados vinte e sete anos, o livro é pela primeira vez traduzido em português europeu. Problemas de Género, assim intitulado, chega até nós traduzido por Nuno Quintais e com uma introdução de João Manuel de Oliveira, editado pela Orfeu Negro.

128. Ruben Östlund. 2017. The Square. Suécia. 142 min.

128. Ruben Östlund. 2017. The Square. Suécia. 142 min.

Tomás N. Castro

Uma jornalista americana vai entrevistar o curador-chefe do X-Royal Museum, um museu de arte contemporânea instalado num palácio no centro de Estocolmo. Desajeitada, e pouco familiarizada com a realidade sobre a qual tem que escrever, começa as suas questões por generalidades. Os maiores desafios de um grande museu como este, fica-se logo a saber, são económicos; apresentar arte contemporânea, produções «absolutamente» de ponta, exige fundos significativos e a competição — informa-nos Christian (Claes Bang), o curador — é feroz. A entrevista decorre numa das assépticas salas de exposição, que tem uma parte do chão ocupada por pequenas pilhas de gravilha (ou detritos similares) e uma parede onde está um letreiro iluminado (que tanto poderá ter uma existência autónoma como fazer parte da lógica dos amontoados).

127. John Rawls

127. John Rawls

Pedro Tiago Ferreira

The aim of this review is to provide a brief overview of John Rawls’s philosophical work. I shall confine my analysis to his most famous and important ideas, gauged by the impact they have produced in academia. I believe such a task is important in order to provide an introduction to Rawls’s thought readable to people who have never read Rawls nor have technical knowledge of the subjects he discusses, and for this reason no novel interpretation of Rawls shall be offered here.

126. Stanley Price. 2016. James Joyce and Italo Svevo: The Story of a Friendship. Bantry: Somerville Press.

126. Stanley Price. 2016. James Joyce and Italo Svevo: The Story of a Friendship. Bantry: Somerville Press.

Inês Ramos

Em James Joyce and Italo Svevo: The Story of a Friendship (2016), Stanley Price explora a ideia de que a amizade que Joyce e Svevo desenvolveram a partir de 1907 determinou, em medidas diferentes, o percurso literário dos dois autores. Tomando por base um quadro de relação em que Svevo funciona como uma espécie de pai para Joyce, Price procura dar a ver que Svevo influenciou decisivamente a obra de Joyce, constituindo-se como fonte de conhecimento do judaísmo e, num sentido mais profundo, como modelo para Leopold Bloom, protagonista de Ulysses

125. Jorge Luis Borges. 2017. Este Ofício De Poeta. Lisboa: Relógio D'Água.

125. Jorge Luis Borges. 2017. Este Ofício De Poeta. Lisboa: Relógio D'Água.

Lauro Reis

Há palestras que merecem ser recordadas e palestras que merecem ser lidas, muito depois de realizadas. Felizmente, ambas costumam convergir na mesma obra. Estas seis palestras, reunidas neste livro e proferidas em Harvard, no Outono de 1967, no âmbito das palestras Norton, não são excepção; mais que não seja pelo facto de Borges, por mais que o próprio negue com toda a sua característica humildade, ser em si mesmo uma excepcionalidade.

124. Darren Aronofsky. 2017. mother!. EUA. 121 min.

124. Darren Aronofsky. 2017. mother!. EUA. 121 min.

António Pereira

A associação da figura do Artista ao Deus hebraico — o grande criador por excelência — não é propriamente uma ideia nova. No entanto, talvez essa comparação nunca tenha sido explorada de forma tão pungente e destemida como em mother!, filme em que Deus e Artista são uma só entidade, e onde alegorias bíblicas se cruzam com meditações acerca do processo criativo e dos seus efeitos na relação com o Outro, num sonho febril que consegue fundir a violência cerebral de um Polanski com a excentricidade macabra de um Jodorowski.

123. Harold Ramis e Danny Rubin. 1993. Groundhog Day. EUA. 101 Min.

123. Harold Ramis e Danny Rubin. 1993. Groundhog Day. EUA. 101 Min.

João N.S. Almeida

Groundhog Day foi concebido como uma comédia com alguns elementos místico-religiosos associados, alicerçada numa premissa do género fantástico, onde um homem de constituição moral perversa é forçado, por razões desconhecidas, a viver o mesmo dia repetidamente, optando então por um progressivo melhoramento moral que leva à quebra desse ciclo e ao regresso à continuidade da vida. Mas os elementos narrativos que constituem o filme resultam num produto final que os ultrapassa e que tem vindo a ser reconhecido enquanto parábola moral enormemente sólida construída sobre um fundo alegórico de conteúdo indeterminado, algo que tentarei explicitar melhor nesta recensão.

 

122. George Saunders. 2017. Lincoln no Bardo. Lisboa: Relógio D’Água.

122. George Saunders. 2017. Lincoln no Bardo. Lisboa: Relógio D’Água.

Frederico Pedreira

George Saunders, reconhecido autor de vários livros de contos (entre os quais Dez de Dezembro [Ítaca, 2016] e Pastoralia [Antígona, 2017]), publicou o seu primeiro romance, Lincoln no Bardo, um livro manifestamente excêntrico. Esta obra mereceu vários elogios, em recensões publicadas, por exemplo, no The Guardian e no The New York Times. Em Portugal, o livro saiu pela Relógio D’Água (com tradução de José Lima) no mesmo ano em que foi originalmente publicado nos Estados Unidos. Também no nosso país tem sido merecedor de iguais elogios, sobretudo pela inovação contida na sua narrativa.

121. Philip Larkin. 2010. Letters to Monica. Ed. Anthony Thwaite. London: Faber and Faber.

121. Philip Larkin. 2010. Letters to Monica. Ed. Anthony Thwaite. London: Faber and Faber.

Inês Gaspar da Rosa

Both were born in 1922, both studied English Literature at Oxford between 1940 and 1943 («City we shared without knowing», as Larkin writes in «Poem about Oxford»), both had First Class degrees. Monica Jones and Philip Larkin, however, only met in 1946 at Leicester University College, where Jones had been appointed as an Assistant Lecturer in English, and Larkin as an Assistant Librarian. They were lovers and confidants until death them did part.

120. Lena Essling (Ed.). 2017. Marina Abramovic: The Cleaner. Berlim: Hatje Cantz.

120. Lena Essling (Ed.). 2017. Marina Abramovic: The Cleaner. Berlim: Hatje Cantz.

Tomás N. Castro

Este Verão, quem tiver visitado — na margem dinamarquesa do estreito de Øresund — o Louisiana Museum of Modern Art encontrou, além de um notável acervo de artistas como sejam Alberto Giacometti ou Asger Jorn, duas grandes retrospectivas: uma, a exposição que documentava a obra de Tal R (n. 1967), pintor conhecido sobretudo pelo seu trabalho como professor de pintura em Düsseldorf; a outra tratava-se da primeira grande mostra europeia da produção de Marina Abramović (n. 1946), apresentando mais de 120 obras (em suportes muito variados) que percorrem sensivelmente cinco décadas de trabalho da mediática performer de origem sérvia.

119. A. Scott Berg. 2013 [1978]. Max Perkins: Editor of Genius. Londres: Simon & Schuster.

119. A. Scott Berg. 2013 [1978]. Max Perkins: Editor of Genius. Londres: Simon & Schuster.

Helena Carneiro

Em 2016 estreou o filme Genius, de Michael Grandage, sobre o editor norte-americano Max Perkins. A ênfase do filme recai na sua relação com o escritor Thomas Wolfe, não deixando de haver referências aos dois outros escritores mais famosos com quem Perkins trabalhou: F. Scott Fitzgerald e Ernest Hemingway. Quem vê o filme à procura de uma descrição detalhada do trabalho de Perkins, não a encontra. Embora existam momentos em que se veja o modo como Perkins trabalha — a leitura dos manuscritos nas viagens de comboio diárias entre Nova Iorque, onde trabalhava na sede da Charles Scribner’s Sons, e New Canaan, onde morava; os conselhos técnicos a Wolfe acerca da extensão dos seus manuscritos; o uso abundante do lápis vermelho —, fica-se com a sensação de que o que nos foi mostrado é insuficiente. O filme tem, no entanto, duas virtudes para quem se interessa pelo trabalho de edição: dar a conhecer, a quem o desconhecia, este editor; fornecer indicações para quem quer saber mais: o filme é baseado na biografia de Perkins que A. Scott Berg escreveu em 1978.

118. Laurent Binet. 2017. A sétima função da linguagem. Lisboa: Quetzal.

118. Laurent Binet. 2017. A sétima função da linguagem. Lisboa: Quetzal.

Paulo Nóbrega Serra

No dia 25 de Fevereiro de 1980, o linguista, filósofo e crítico literário Roland Barthes é vítima de um atropelamento. Morre um mês depois, no seu quarto de hospital, no dia 26 de Março de 1980 — data conforme à realidade —, não em resultado do acidente, mas vítima de um assassinato, desta vez bem sucedido. Enquanto o título da obra refere aquilo que seria a mais recente descoberta de Barthes, a sétima função da linguagem, o subtítulo, «Quem matou Roland Barthes?», procura evidenciar a natureza de thriller policial do livro. Contudo, à medida que avançamos na leitura, a narrativa evidencia-se mais como sátira do que como mistério. Laurent Binet caminha numa linha ténue entre o popular e o erudito: se por um lado joga com uma série de códigos e referentes (como no caso da sociedade secreta, as senhas de entrada, os espiões, o sexo), por outro tudo é subvertido por meio da sátira, ainda mais porque a intriga assenta num tema obscuro (intencionalmente?), que parece pouco explicado, ou pelo menos de forma pouco convincente, e move-se entre uma série de referências que só alguns leitores irão captar numa primeira leitura mesmo que desatenta.